Helena Arcoverde

A catadora de histórias

Posted in Conto by helenarcoverde on 26/05/2013

Dirigia-se ao ponto de ônibus. O caminhado era lento, despretensioso. Não embarcaria em nenhum. Ali, parada, mansamente observava o contar dos anônimos. Não os olhava, apenas colhia os relatos que ninguém se importava, que se perderiam não fosse essa catadora de histórias que vagava entre vultos inomináveis. Ficava ali, inerte, sem lançar olhares. Buscava os registros que a dor silenciava. Alguns se perderiam, outros eram alçados à condição de personagens, recebiam o nome e o sobrenome que a vida se esquecera de lhes dar. Depois que a gentarada se dispersava ela ia embora registrar mais um dia do infindável nomear. Eu, que também ali estava, tomaria um daqueles ônibus. Enquanto isso observava a cena – quem a colhia e a gentarada que se transformaria em personagem, sem o saber.